sábado, 7 de janeiro de 2017

Casos Ainda Não Solucionados - 04 - Tudo se encaixando.



 Música de cena: the wolf among us - bigby's place
Alguns minutos mais tarde, um policial chegava até a cena do crime, e então os interrogava.
Policial: Então, quem foi o autor do crime, e de novo essa mulher? Parece que estou num dejavú.
Nelly: Bom, foram uns aliens que sumiram, policial. Acredito que querem alguma coisa com essa moça.
Marlon: Se é dejavú, você sabe tudo o que acontece já, não é?
Policial: Rapaz.. - E franzia a sobrancelha para Marlon.

Nelly: Policial, se isso é como um dejavú. Como foi da outra vez?
Policial: O mesmo, disseram que os caras verdes vieram aqui e atiraram numa moça exatamente igual à essa.
Marlon: Caraca... - Dizia confuso.
Patrick: Esse caso é mais confuso do que eu pensava. Bop. Bop.
Policial: Enfim, eu vou ver a cena do crime, novamente, e vocês estão dispensados.


Nelly: Marlon, toma meu endereço. - E entregava uma folhinha com seu número e endereço.
Marlon: Calma aí, cê tá me chamando pra um encontro? - Dizia lendo a folhinha.
Nelly: Não, eu quero conversar com você amanhã, sobre a Laura.
Patrick: Bobalhão, bip. bip. - E cruzava os braços.
Marlon: Beleza, amanhã apareço cedinho então. Ok?
Nelly: Ok, melhor ainda para conversar com o Senhor Caixão.

 No dia seguinte. 
Flora: Tia, será que ele vai querer um pedaço do bolo? - E ia checar o bolo no forno, logo o tirando.
Nelly: Não sei, meu amor. A gente vai conversar sobre negócios, querida.
Flora: Mas e comida, não rola?
Nelly: Não sei.
Patrick: Me serve óleo, bop?
Flora: Claro, Patrick. - E ria.
 Nelly se levantava e ia até sua sobrinha.
Nelly: Querida, não sei direito do que aquele homem é capaz, então, qualquer "alarme", você corre com o Thomas, me ouviu?
Flora: Entendi. Mas tia, você é muito preocupada, garanto que ele é uma boa pessoa.
Nelly: Não sei, querida. Mas leve em consideração o que eu disse.
Flora: Quem sabe até você não desencalha.
Nelly: Para de graça, garota. - Dizia um pouco brava.
Flora: Aí tia - E ria um pouco - Desculpa.
Nelly: Tudo bem, ele sabe bastante coisa sobre a Laura.
Flora: Imagino.

 Marlon chegava e ia subindo as escadas.
Marlon: Caramba, a casa dela é enorme.
 Marlon tocava a campainha e ficava na espera de Nelly.
 Nelly: Ele chegou, meu bem. Já volto. - E ia até a porta.
Flora: Vai lá, tia.
 Flora se sentava no sofá e observava Patrick brincar com o Thomas.
Flora: O Thominhas gostou de você, robôzinho.
Patrick: Patrick adora carinho humano, bop, bip.
Thomas: Robô, robô! - E o abraçava.
 Nelly: Olha você aí, parece até um mafioso. - Brincava.
Marlon: Tá um sol aqui, você acha que eu viria sem nada na cabeça?
Nelly: Sei lá.
 Marlon a cumprimentava com um beijinho na bochecha, a mesma retribuía.
Nelly: Então, de que corporação você é? - Perguntava curiosa.
Marlon: Na verdade ela faliu faz dois anos, tô trabalhando por conta agora.
Nelly: Então por que você mentiu? - Dizia com uma certa duvida.
Marlon: Bom, nunca se revela de cara algo pra uma detetive que você nem conhece direito, não acha? - Retrucou.
Nelly: Tudo bem, vou engolir essa.

  Nelly: Vem, entra! - E abria a porta, entrando.
Marlon: Me espera.
 Marlon cumprimentava Flora, Thomas e Patrick, e Nelly apenas observava.
Marlon: Que garota linda! Oi! Você é filha da Nelly?! - Perguntava curioso.
Flora: Quase isso, senhor Marlon.
Marlon: Que criancinha fofinha, muito bonita sua família, Nelly. Nem sabia que era possível ter família sendo detetive.
Nelly: Ah, obrigada. - Dizia orgulhosa pela sua família - Tudo é possível com um pouco de amor, Marlon.
 Os três sentavam, e Flora ficava com Thomas no colo, todos na sala.
Nelly: Então, me conta como surgiu o interesse em buscar a Laura. Por favor.
Marlon: Bom, eu queria arrancar uma grana pra sobreviver, então eu pensei: Por que não achar a Laura sem mais nem menos e levar ela pro velho e descolar uma grana boa?
Flora: Meu Deus.. - Dizia um pouco surpresa e um pouco assustada com a atitude de Marlon.
Nelly: Querida, pode dar mamadeira pro Thomas, fazendo o favor? - Tentava disfarçar. - Você é bem esperto, Marlon. - Voltava a conversa. - E faz isso desde quando?
Flora ia para cozinha, colocava Thomas na cadeirinha e o alimentava, mas se mantinha ouvindo tudo que eles falavam.

Marlon: Desde quando começou à sair em todos os jornais da cidade, eu fiquei alucinado na busca, mas nunca obtive sucesso, até porque eu nunca fui falar com o Caixão. Só conheço as Calientes, ela iriam me levar para as baladas lá daquela festa, pois as mesmas afirmaram que sempre tinha uma Laura lá, e quem sabe não era a Laura de verdade. Eu fui atrás.
Patrick: Bip. Bip. Bop. Guardando informações.
Nelly: Bom, e o que você descobriu nisso tudo, Marlon? - Questionou.
Marlon: Que a Laura tá realmente bem escondida, e nenhuma daquelas é a Laura, por mais que pareçam. E o mais estranho disso tudo é que aqueles aliens tão sempre lá, parece que eles sabem o que a Laura tem.
Nelly: Tanto que mataram uma. É estranho.

Flora voltava com Thomas, e apenas os ouvia, enquanto brincava com o pequeno.
Patrick: Bom, eu tenho uma idéia, que tal a gente levar esses fios de cabelo que eu peguei da Laura falecida e ver se o Senhor Caixão descobre alguma coisa?
Marlon: Robô, você é esperto demais! - Dizia surpreso.
Nelly: Vamos! E Marlon, você vem conosco!
Marlon: Oi?
Nelly: Você vai fazer parte da equipe até acabar o caso, você parece que sabe mais alguma coisa.
Marlon: Tudo bem, eu aceito companhia. Ai a gente divide a grana?
Nelly: Fechado.
Patrick: Bip. Fechado. Bop.

 Música de cena: The Nice Guys - Theme.
 Na casa dos Caixão.
 Nelly tocava a campanhia.
Marlon: Caramba, que casão!
Nelly: Mais respeito, por favor, não quero perder o cas...
 Vladmir abre a porta.
Vladmir: Por favor senhores, vão entrando, sentem-se na cozinha! - E já voltava a entrar.
 Os três os seguiam em direção à cozinha.
 Vladmir: Conte-me as novas, garotos! - Dizia como se soubesse de algo.
Cassandra vinha chegando também, e se juntava na mesa.
Nelly: A Laura que morreu não é sua esposa.
 Vladmir: Disso eu já sabia, detetive.
Marlon: E aparece à cada dia, uma Laura diferente numa balada.
Vladmir: Disso eu não sabia, detetive.
Patrick: E pegamos o cabelo de uma das mortas, emprestado! Bop. Bop.
Cassandra: Que horror! - Dizia enojada.
Nelly: O senhor poderia fazer o teste de DNA nele, pra mim?
 Vladmir: Claro, claro. Mas é meio estranho esse negócio de ter clones da minha esposa... - Dizia perplexo, assustado e um pouco pertubado.
Marlon: É bizarro senhor Caixão, bizarrão.
Cassandra: O pai tem uma máquina de DNA lá em cima. A gente pode subir e ver no que dá, eu só quero minha mãe de volta... - Seu tom de voz era triste.
Nelly: Eu sei como é perder alguém importante. - Suspirava.
Vladmir: Então vamos!

 Lá em cima. 
Vladmir: O cabelo desta Laura é mais grosso, mas vamos ver no que vai dar.
Nelly: Torço de coração que não seja a Laura verdadeira.
Marlon: Eu também.
Patrick: Bip.
Cassandra apenas continuava inquieta.
 Vladmir sentava em sua cadeira, e começava as pesquisas, os quatro estavam eufóricos com a descoberta, mas, continuavam quietos e o observando trabalhar.
 Nelly: D-Descobriu alguma coisa, senhor?
Vladmir: Bom, o cabelo não é dá minha esposa, mas contém genes descendentes dela, como se fosse filhas da minha esposa!
Nelly: Que estranho, senhor Caixão. O que você sugere que seja?
Vladmir: Clonagem.
Marlon: Que doidera das doidas, nossa. - Tentava juntar os pauzinhos.
Patrick: Muita informação pro meu HD. Bop.
 Nelly: E quem conhecia as Calientes, senhor, além do Don?
Vladmir: A Brenda, ela é uma moça muito boa e esforçada.
Nelly: Me passe o endereço dela, por favor?
Vladmir: Claro. - E escrevia num papelzinho, e o entregava.
 Nelly: Pode deixar que vamos achar sua esposa ainda mais rápido, senhor Caixão!
Vladmir: Aumento a oferta pra você, se acha-la logo. E também tô aumentando por tantas descobertas.
Nelly: Caramba senhor Caixão, muito obrigada!
 Ao fundo.
Cassandra: Senhor detetive, você poderia tomar conta do pai do meu filho, pra mim?
Marlon: Meu trabalho não é barato, senhorita Caixão.
Cassandra: Pago a maior das recompensas, se você conseguir por meu homem na linha e descobrir todos os podres dele!
Marlon: Pode deixar que seu marido é nosso marido, agora. - Tentava fazer algum trocadilho, que não deu certo.
Cassandra: O quê?
Marlon: Esquece, senhorita Caixão.

Nelly: Então vamos lá falar com a senhorita Malpaga, senhor. Obrigada.






                                            
 Música de cena: Kool & The gang - Get Down On It




 Chegando lá. 

 ____
 Nelly tocava a campanhia.
 Brenda: Oi moça, do que precisa?
Nelly: Sou uma detetive particular e estou aqui atrás de respostas.
Brenda: Ai meu Deus, vamos conversar aqui fora então. Será que o Eric fez algo? - Dizia preocupada.
 Nelly: Brenda, você conhecia a Dina e a Nina Caliente?
Brenda: Claro que sim, as duas eram bastante amigas minhas, até sumirem.
Nelly: E sumiram por quê? - Questionava.
 Brenda: Sumiram faz 2 semanas, e elas estavam sempre dizendo de capturar e dinheiro.
Nelly: Entendi. E falaram algo mais?
Brenda: Diziam que a Laura era uma vadia de sorte, não aprovava isso, mas também não falava nada, pra não contrariar.
Nelly: Entendi. Obrigada, Brenda. Pode voltar à cuidar de seu filho.
Brenda: Obrigada eu por acreditar em mim, eu falava para o Caixão, ele me olhava torto.
Nelly: Ah sim, bom saber. Até mais.
Brenda: Até mais! - E subia.
Nelly observava até ela fechar a porta: Pronto. - Dizia,
Marlon: E aí, Nelly?
Patrick: Bip. Bop.

Nelly: Ligando os pontos, pode ser que as Calientes estejam envolvidas na abdução de Laura!!
Marlon: Como eu não pensei nisso antes?! - Ficou surpreso.
Nelly: Então. Será que elas não tem algum amigo alien que capturou a Laura?
Patrick: Nelly, Marlon, o senhor Caixão tem um telescopio, que tal a gente olhar? Quem sabe a gente não descobre aonde a Laura tá?!
Nelly: Boa ideia, Patri!

 Novamente, na casa dos Caixão. 
Nelly: Senhor Caixão, posso dar uma olhadinha no seu telescópio?
Vladmir: Descobriram mais alguma coisa?
Nelly: Vou descobrir agora.
 Vladmir: Os garotos podem usar esses binóculos, enquanto você vê aí.
Nelly: ótimo!
 Enquanto os garotos olhavam com o binóculo, ela olhava com o telescópio, cada lugar estranho ela dava um certo zoom, até que....
Tinham as duas Lauras que sumiram na festa, presas à uma cadeira, enquanto duas aliens ficavam de guarda.
Nelly: OH MEU DEUS!!! - Gritava.


CONTINUA.

10 comentários:

  1. Estou gostando e muito da história. E lindos os cabelos de Brenda e Cassandra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O de Cass eu baixei no Mod The Sims, só não tenho o link ): E muito obrigada <3

      Excluir
  2. Eitaaaaa!!! Será que uma das duas Lauras é a verdadeira? Curiosa para ler a continuação! Ah, e tb achei os cabelos lindos! Parabéns, Denise!!! :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será?! pam, pam paaammmm!!! hauahauhuahuahuaha E muito obrigada :D <3

      Excluir
  3. "Seu marido agora é nosso marido" - adorei!!! huahaiahauaha
    A Nelly descobriu o QG da clonagem!!! Correndo ver o próximo capítulo, Denise!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marlon não presta!! huahauhauahuahuah E finalmente, esse QG foi encontrado!

      Excluir
  4. Nossaaa! ela conseguiu encontrar a Laura?!. Shipooo Nely e Marlon.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que essas são as Lauras verdadeiras? :O

      Excluir

Seu comentário ajuda muito com a continuação da história!! Não deixe de comentar :)