quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Casos Ainda Não Solucionados - 02 - O Quadro.

No mesmo momento, os três subiram bem rápido para o quarto de Vladmir Caixão, e viram, que realmente o quadro era bem idêntico.
Nelly: Caramba, Patrick! Bom trabalho!- Ficava impressionada e orgulhosa com a descoberta de seu robô .
Patrick: Bip. Bop. o pincel usado foi o mesmo, senhor Vladmir. Bop.
Vladmir: Oi? Mesmo pincel? Você quer dizer que o Dário fez um quadro idêntico para o Don?
Nelly: Quem é Dário, senhor Caixão?- Indagou.

Vladmir: Dário é o rapaz que fez este quadro, ele é um amigo da família, principalmente de minha filha.
Nelly: Ótimo. Pode me passar o endereço dele? Vai que ele sabe alguma coisa sobre a Laura.
Vladmir: Claro, detetive. Deixa eu só ligar avisando que você vão lá.
Vladmir: Dário, boa tarde.
Dário: Boa tarde, senhor Vladmir. 
Vladmir: Então, uma detetive vai ai te interrogar hoje, ok para você?
Dário: Por quais motivos, senhor Vladmir? 
Vladmir: Pra descobrir o que houve com minha esposa, Dário. 



 Música de cena: Daft Punk - Get Lucky



Alguns minutos depois. 
Nelly: Então essa é a casa do artista?
Patrick: Sim! Bip. Tá no HD. bip bip
Nelly: Você é muito esperto, Patri.- Disse num tom de brincadeira.
Patrick: Bip. Bip. Você que recheou minha memória de informação, Bop. Bip.


Nelly: Parece que tem um garoto na sala. - Ficava espiando pelo vidro da porta principal.
Patrick: Chame ele, oras bolas. Bop.
Nelly: Menino! Por favor! - E dava alguns toquinhos com a mão, no vidro.

Duque: Oi! Você é a mulher que vai interrogar meu pai? - Dizia curioso.
Nelly: Bingo, querido. Pode chama-lo para mim?
Duque: Claro! Só me dá um segundo.

Duque: O PAAAAIIIIIIIIIII, A MULHER CHEGOU!!!! DESCE AQUI!!! - Berrava.
Nelly: Caramba... Parece a Flora me chamando. - Pensava.

Nelly: Boa tarde, posso entrar? Prazer, sou Nelly, a detetive particular. 
Dário: Boa tarde detetive, claro que pode. 
Dário: Entre, por favor senhorita detetive. Por quais motivos vem me interrogar?
Nelly: Bom, meu cliente tem um dos seus quadros, não posso especificar qual, para manter a identidade dele segura. E por este motivo, precisamos de umas respostas suas.
Dário: Tudo bem.

Nelly: Meu robô vai averiguar sua casa, tudo bem para você? Precisamos de provas.
Dário: Tudo bem.. Tudo bem.. Não quer se sentar para fazer as perguntas, detetive?
Nelly: Claro. - E já ia pegando seu caderninho do bolso e a caneta. 

Nelly: Dário. Por quê pintou exatos dois quadros iguais de Laura?
Dário: O Senhor Vladmir é um homem perfeccionista, então, ele não gostou do primeiro, então fiz um segundo, melhorado e impecável.
Nelly: É? E pra quem você vendeu o primeiro?
Dário: Vendi para Don. Mas com uma condição.
Nelly: E qual era? - Hora olhava para Dário, outra para seu caderninho, anotando.
Dário: Ele iria me ajudar à aproximar de Cassandra, até porque.. Ele não queria casar com ela... - Falava de uma forma culpada e coçava sua nuca, com uma das mãos.
Nelly: Então você afirma que ele gostava de Laura Caixão?
Dário: Sim... Ele era mais vidrado nela no que na própria noiva.
Nelly: Entendi. Pode me mostrar seus quadros?

Enquanto isso. 
Cassandra: Pai, eu estou gravida do Don! - Sua voz era tremula, tanto de medo da reação do pai, quanto para o susto que tomou.
Vladmir: O que? - Dizia sem entender nada.

???????????????????
 Patrick: Woah, estou deslumbrado com tamanho talento. Bop. Bop. Bip
 Patrick: Oh Céus. Meu Hd. Mais uma.. LAURA CAIXÃO?! BIP. BOP. BIP
 Dário: Detetive, aqui em cima é meu ateliê, sabe? Eu pinto e vendo bastante obras.
Nelly: Entendi. Você é um bom artista, Dário.
 Nelly dá uma andada pelo quarto, até que também se depara com um outro quadro de Laura. Outra pose e outro tipo de pintura.
Nelly: Dário, pode me explicar esse quadro também? - E apontava para o quadro de Laura. 
Dário: Então, detetive, esse foi um dos primeiros que eu fiz, o senhor Vladmir não gostou, então eu meio que fiquei com dó e deixei ai.
Nelly: E você pretende vende-lo?
Dário: Claro que não.
Nelly: Entendi. Tem mais quais quadros da família Caixão? 

Dário: Bom, eu tinha feito um da Cass, mas infelizmente eu nem pude entregar, porque o maldito do Don ficou brincando de ciúmes com ela, até que a Laura não gostou. 
Nelly: Então esse foi o vacilo do Don? - Associava a tal coisa dita com o Don tinha dito antes.
Dário: Esse foi um de muitos, detetive. Ele era meio controlador pra cima dela, a Cassandra é a única que até hoje não sabe que o Don é galinha.
Nelly: E por que você não conta, Dário? 
Dário: Porque eu não quero ter inimizade nem com ela e nem com o senhor Caixão. 
Nelly: Já começou errado, mas eu não vou ficar me metendo. 
Dário: Tudo bem. 
Nelly: Mas, obrigada pelas informações, meu cliente vai amar sabe-las.
Dário: É um prazer ajudar gente do bem.
Nelly: É sim, é meu trabalho, afinal.






Música de Cena: The Submarines - A satellite, Stars and an Ocean Behind You




Na noite do mesmo dia. 
Flora: Tia, anotei aqui. O Thominhas dormiu e comeu bem, só sentiu sua falta. 
Nelly: Logo eu termino esse caso, e vamos nós quatro viajar! Eu prometo, querida. 
Patrick: Viajar? Bop. 
Flora e Nelly, em coro: É, viajar! 
Nelly: Querida, amanhã será um dia cheio, tudo bem pra você? Eu voltarei um pouco tarde, qualquer coisa eu mando o Patrick para cuidar de vocês. 
Flora: Por que você não vem embora e deixa o Patrick trabalhar no seu lugar, tia? 
Nelly: Filha, eu simplesmente não posso largar meu emprego, e nem o caso. Me perdoe. 
A expressão de Flora mudava para uma decepcionada e triste, pois ela sentia bastante falta da tia. 

Nelly pegava Thomas e o abraçava, cheia de saudades.
Nelly: Querida, vem. Patrick, apronte um jantar pra nós!
Patrick: É pra já! Bop!

As duas iam pro quarto de Flora, que o dividia com Thomas.
Nelly: Seu dever tá todo certo, Flor. Parabéns.  - Dizia orgulhosa, pela moça em que Flora estava se tornando.
Flora: Obrigada tia, eu dei meu melhor.

Nelly: Querida, vem cá. Sabe, sua mãe ficaria orgulhosa de ver essa moça que você está se tornando.
Flora: Você acha? Perdi meu pai cedo, e logo então ela não parava mais de trabalhar, nem tive tempo de aproveitar minha adolescência com ela, tia. - Seu tom se tornava triste, desnorteado e um pouco decepcionado.
Nelly: Olha, meu amor. Na sua idade, eu não tinha todos esses deveres que você tinha. Você é muito madura, eu tenho orgulho de você, assim como sua mãe tem também, eu tenho certeza disso.
Flora: E a vó?
Nelly: A vó também, ela te viu crescer, ela sabe a moça que você é, e eu tenho total confiança em deixar o Thomas com você, por isso.
Flora: Poxa tia... Isso me deixa sem palavras.

Nelly: Vem cá, Flor. Me dá um abraço.

Depois, as duas iam para a sala, e junto com Patrick, falavam sobre o dia de amanhã e como, talvez iriam demorar, e especulavam coisas sobre o caso dos Caixão.

Um pouco depois disso, tomavam banho, e Nelly ia lá fora, fumar um pouco, tinha se tornado seu vício, após a morte da irmã e da sua mãe. Ela se arrependia por isso, mas também não sabia como parar.  Porém, tentava esconder de sua jovem sobrinha e de seu filho pequeno.

Flora: Tia, você tá fumando? - Dizia enquanto se aproximava.
Nelly, se engasgava com a fumaça: Caramba Flor, não me assusta. - E suspirava do susto.
Flora: Desculpa, tia. Mas me explica por que você fuma? - Perguntava curiosa.

Nelly: Primeiro, o que você tá fazendo acordada?
Flora: Ah, eu venho pintar sempre que você e o Thominhas dormem.
Nelly: Cuidado, tá legal? Essas horas da noite tudo se torna perigoso. - Dizia preocupada.
Flora: E você tia, por que você fuma?
Nelly: Bom, eu desenvolvi o vício e a dependência depois da morte da sua vó e da sua mãe. Ai eu associei a saudade com os tragos.
Flora: Tragos? Que deselegante, tia. Mas você vai superar, assim como eu tento superar todos os dias.
 Nelly: E como você faz isso, querida?
Flora: O quê?
Nelly: Supera.

Flora: Bom tia, eu pinto. - Tirava um quadro que estava apoiado na árvore próxima, e o colocava, logo pegando os materiais de pintura. - Quer me acompanhar nessa pintura, tia?
Nelly: Claro, querida. É bom não ter vícios, né? - Brincava.
Flora: É sim, eu acho. - Dava uma risadinha.

E assim ficaram o resto da noite.


 Música de cena: The Sims 2 - Bonito

No dia seguinte. 

Nelly: Essa deve ser a casa das Calientes.
Patrick: Suponho que sim. Bop. Bop.
Nelly: Vamos dar uma olhada por fora.

Nelly: Jesus, que carro velho! Será que é delas? E tá mal estacionado, inclusive.
Patrck: Suponho que não está na posição correta, Nelly? Bip. Bop.
Nelly: É, é... E acho que nem tem como ligar isso. Agora vem cá e me ajuda à chamar elas. - E se direcionava à porta,
Patrick: Bip. Bip. Bip.

Nelly: Calientessss!!!! Visitinha!!!!! - Gritava, num tom aconselhável para o horário do dia.
Patrick imitava um som de buzina, para chamar à atenção de quem estava lá dentro.

Nelly: Que estranho, ninguém atende. Pela primeira vez, Patrick, te dou a permissão de arrombar. - E olhava preocupada para a porta, desde já.

Patrick dava o "pisão" na porta, abrindo-a, para eles entrarem.

Ao entrarem, a casa estava silenciosa e vazia. Não tinha um sinal de nenhuma Caliente viva, ou qualquer outro ser.
Nelly: Que estranho, vamos nos separar e procurar pistas.

 Nelly ficava no térreo, e não achava nada, nem um vestígio, geladeira vazia e tudo mais que fosse eletrônico, fora da tomada.
Patrick olhou minuciosamente os dois quartos, e ambos estavam de armários vazio, mas o que indignava era a casa ainda continuar limpa.

Então os dois subiram no último andar, e lá se perguntavam: O que aconteceu com as Calientes?

CONTINUA.

8 comentários:

  1. Muito bom, Denise! Fiquei curiosa tb para saber o que houve com as Caliente! Parabéns pela sua história! :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No próximo, algumas coisas serão esclarecidas! ♡ Muito obrigada!

      Excluir
  2. O Patrick é muito esperto. Tadinha da Cass grávida! Será que o Don irá assumir? E o que será aquela foto misteriosa? Será que ela tem a ver com o sumiço das Caliente? Estou adorando! Ansiosa pelo próximo capítulo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje saí mais um capítulo! E algumas coisinhas serão esclarecidas ♡ uahauaa
      Obrigada por acompanhar ♡

      Excluir
  3. Cassandra ficou grávida do tranqueira?! coitada!!. O Patrick é uma graça, a Nelly deve parar de fumar, seguir os conselhos da sobrinha, que apesar de ser mais nova, é madura para sua idade, e as calientes hein?! foram abduzidas também? o.O espero que não. Parabéns Denise! s2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tadinha dela! D: A Nelly vai aprender aos poucos largar o cigarro :) E a Flora é um amor <3
      Será que elas foram ou só fugiram? :O uahauauahau Obrigada, Patrícia, beijinhos ❤

      Excluir
  4. Coitada da Cassandra, foi ficar grávida logo do cretino. Espero que a Nelly consigo super o vício nos cigarros, e estou doido pra saber o que aconteceu com as calientes. Parabéns pelo episódio, Denise. Está ótimo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Pra você ver! :/
      Eu também, isso vai acabar fazendo muuuito mal para ela, se não parar!
      Obrigada por ter comentado! ❤

      Excluir

Seu comentário ajuda muito com a continuação da história!! Não deixe de comentar :)