segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Especial: Presos na Ilha; com Marlon e Nelly.

Música de cena: The sims 2 Castaway - Chocolate Island. 

 Uns anos depois, de muitos casos resolvidos. Nelly e Marlon foram chamados para resolver um, bem longe de Riverside, BelaVista, Estranhópolis e o resto. Só que, por força do destino o navio em que estavam naufragou, a sorte é que sabiam nadar, então foram até a areia mais próxima. 

 Nelly: Merda, Marlon! A gente não deveria ter pego o navio!
Marlon: Agradeça que estamos vivos e sabemos nadar!
E corriam depressa da água rasa em que estavam, pois estava frio.
 Marlon: Temos sorte, achamos uma casa! Espero que tenha gente.
Nelly: Eu também! - Disse ofegante.
Nelly e Marlon em coro: Tem alguém aí?!?! 

 E de lá de dentro saíam dois piratas conhecidos pela região: Morag e Menezes Barrett.
 Menezes: Oi! São os novos moradores da ilha? Ou vieram pedir mantimentos?
Marlon: Oi! Sou Marlon. Na verdade eu e minha amiga somos náufragos.
Menezes: Ah, normal. Querem entrar?
 Morag: Ainda não me apresentei. Sou Morag, esposa de Menezes, e somos os piratas da região. Marlon: Legal. Eu sou Marlon. - Disse de forma simpática. 
Nelly: E eu sou Nelly, prazer! 

 Morag: Meu marido está preparando alguma refeição para vocês, imagino que estão com fome.
Marlon: E acertou! Estou com muita fome! Nadar dá fome!
Nelly: E eu também, caramba, que mar gelado!
Morag: As águas pra perto das casas são mais geladas mesmo. Nós sofremos para pegar peixes, por isso.
Os quatro pegavam pratos e se sentavam, na bancada e na mesa. E enquanto comiam, conversavam.
Marlon: Menezes, cê pode me dizer se tem algum jeito de ir embora?
Menezes: Então, tem vários pedaços de madeiras espalhados pela ilha, mas ai que tá, é raro passar um helicóptero, mas quem está aqui não desiste também.
Nelly: Ah não. Não me diz que vou ficar presa aqui... - Disse desesperada. - Eu tenho família. Vocês não tem barco não?
Morag: Aposentamos nosso navio, barco e jangada. Moramos aqui agora. Queremos começar uma família também, Nelly.
Nelly: Ah... - Disse desapontada - Nem um barquinho?
Morag: Infelizmente não, querida. Mas se você quiser, pode ir tomar um banho. Eu tenho alguma roupa que te sirva também, só não pegue meus casacos.

 Nelly se levantava da mesa, e ia em direção ao banheiro do casal. E ao fundo Marlon e Menezes conversavam.
Menezes: Sim, cara! Pedi ela em noivado no navio, e casamos aqui na ilha!
Marlon: Como é casar em uma ilha?
Menezes: Pra gente é normal!
Marlon: Imagino.
 Nelly abria a torneira e começava à tomar seu banho, para relaxar um pouco a tensão que estava.
Marlon: Mas me diz, aonde fica esses pedaços de madeira pra gente achar? - Mudou de assunto rapidamente.
Menezes: Então, você encontra dois em uns monumentos de uma civilização antiga que tinha aqui, ai o resto eu não sei, você terá que perguntar pros moradores.
Marlon: Entendi. Obrigado. 
 Nelly chegava do banho, com uma roupa que tinha achado no armário de Morag, e se aproximava dos rapazes.

 Marlon: Ficou boa em você, essa roupa!
Nelly: Ah, obrigada. - E deu um sorriso. - Mas Menezes, você pode levar a gente no lugar mais perto, pra pedirmos ajuda?
Menezes: Então, eu tava explicando pro Marlon onde vocês devem ir.
Nelly: Me fala também?
Menezes: Claro!

 Marlon se levantava da mesa, e seguia pro banheiro, dizendo: Ó, enquanto você explica ai para ela, vou tomar um banho.
Menezes: Ok!
 Então, se juntava: Nelly, Morag e Menezes, e conversavam, enquanto Marlon tomava banho.
Nelly: Ah, entendi. Então fica seguindo aquela mata reto?
Menezes: Isso aí, é só não sair da trilha, que você chega rapidinho nos monumentos.
Morag: Isso mesmo, amor. E não esquece que se eles continuarem na trilha, eles saem naquele local que era de cientistas!
Nelly: Entendi!

 Marlon: Cheguei, vamos?
Nelly: Vamos! Já peguei todas as informações!
Morag: Cuidado! A mata pode ser perigosa!
 Morag: Nelly, toma essa "conchafone" que tinha aqui em casa, qualquer coisa, vocês sopram ela, que a gente sabe que é vocês!
Nelly: Ah, poxa, muito obrigada!
Morag: Espero de coração que vocês consigam ir embora! Deve ser horrível ficar longe dos filhos.
Nelly: E se é. Obrigada!
Nos monumentos. 
Marlon: Nelly, um nativo! Vamos falar com ele antes que ele vai embora!
Nelly: Vamos!

 Então os dois iam atrás do nativo. Andando bem rápido, para não o perder de vista.
Nelly: Ei, espera!
Nativo: Oi?
Marlon: Você mesmo!
 Marlon: Então cara, vocês tem alguma parada que vem navios?
Nativo: Parada?
Nelly: Píer. Para os navios.
Nativo: Eu não entender o que dizem, falam por favor com a outra nativa.
Marlon: Ah.. Pode deixar!
Nelly: Muito obrigada, mesmo assim!

Então os dois iam até a nativa que estava no balanço.
Nelly: Moça! Uma pergunta!
Nativa: Me balance por favor?
Nelly: Ah, claro! 

Nelly: Enquanto te balanço, você pode responder uma pergunta minha?
Nativa: Claro!
Nelly: Tem algum píer por perto da ilha?
Nativa: Eu não saber o que é píer, desculpe.
Nelly: Tudo bem, obrigada. 

Depois de muito perambularem sem rumo pelos monumentos, acharam os tais pedaços de madeira, que os nativos sempre deixaram por aí, para ajudar os náufragos. E então, acenderam. 

Nelly: Espero que isso dê certo.
Marlon: Eu também, não quero viver aqui pra sempre.
Nelly: Muito menos eu.
O tempo se passou, e não havia passado nenhum helicóptero.  E o fogo das madeira tinha apagado, também. 

 Cansados de ficarem em meio aos monumentos e coisas antigas, decidiram ir no local em que os cientistas usavam para fazer as pesquisas. E para a boa surpresa deles, estava cheio de gente.
 Entraram na primeira casa que viram, e deram de cara com outro naufrago e um nativo, jogando pinball.
Nelly: Moço, você tá à quanto tempo aqui?
Naufrago: Nem eu sei mais, perdão..
Nelly: Tá tudo bem, obrigada mesmo assim.
Marlon: Sério mesmo que você não sabe o que é um píer?
Nativo: Mim não saber.
Eles subiram a escada do local de pesquisa, e então, no desespero de ficarem lá pra sempre, começaram à fuçar sobre livros de navegação, mapas e manuais de montagem de coisas.

 Nelly lia um de navegação, enquanto Marlon saia com um de mapas, para fora, para se localizar e entender outras localizações.
 Por fim, acharam um píer, e a única visão que tinham era do navio que estavam, todo esmagado no meio das pedras.
Nelly: Tô com saudades do Thomas, Flora e Patrick, Marlon.
Marlon: Também tô com saudades do pessoal, Nelly. Logo a gente saí daqui, eu prometo pra você. - Tentava conforta-la.
Nelly: Tomara que um navio ou um helicóptero apareça logo.

Foram em uma caverna, que tinha um termas, e aproveitaram para descansar, além das perguntas aos nativos.

Qualquer pessoa que aparecia, eles perguntavam, até para outros náufragos que estavam lá à mais tempo.
Naufraga: Bom, um navio aparece quase sempre numa área de lazer que os nativos fizeram, por que vocês não vão lá?
Nelly: Obrigada pela informação, e saúde pro seu pequeno!
Naufraga: Obrigada, moça. Espero que vocês consigam ir embora.
Nelly: Eu também.

Ao chegarem no tal lugar, já deram de cara com outras madeiras amontoadas, e Nelly fez questão de acende-las, enquanto Marlon olhava o horizonte.
Marlon: Nelly! Tem um navio bem longe! Acende isso e vamos o mais perto da água possível!
Nelly: Eu acho que esse é o navio que vem pegar os artesanatos dos nativos, vamos logo!

 Marlon: Nelly, cuidado pra não cair daí. - Disse um pouco preocupando, mas já dando risadinha, imaginando o tombo dela.
Nelly: Ah Marlon! Eu sei me virar bem!
 Não demorou muito que a conversa atrapalhasse a concentração dela, e ela caísse de bunda no chão, e Marlon caía na gargalhada.
Marlon: Eu te avisei!
Nelly: Eu pisei errado, Marlon! Não vale!
 Nelly se sentou, aliviada e feliz, que cada vez mais o navio se aproximava.
Nelly: Espero que você caía também!
Marlon: Que vingativa, eu sei me segurar, ao invés de você!
Nelly: Você é pesado, vai fazer um estrondo quando cair!

Marlon ia escorregando, mas se agarrava ao tronco.
Marlon: Tá vendo? Eu sei me segurar!
Nelly: Ai Marlon, eu sei que você quase caiu! Eu não sou surda tá!
Marlon: Nelly, você ouve até demais!
Nelly: Sabe, eu achei fofinho você me consolando mais cedo.
Marlon: É isso que amigos fazem, né! - Tentou contornar a situação, pois não queria se mostrar tímido.
Nelly: Quando esse navio parar aqui, e a gente chegar em casa, eu prometo que te faço a salada que você gosta!
Marlon: Nelly, você tá muito boazinha que eu tô até estranhando. Você não caiu de cabeça na água, né?
Nelly: Deixa de ser besta. É o que os amigos fazem não é? - Brincou com o mesmo, e os dois caíam na gargalhada.

FIM.


4 comentários:

  1. Gostei! Tomara que eles saiam da ilha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! E saíram sim! São e salvos, e com muita história pro pessoal de Riverside :D

      Excluir
  2. Adorei, Denise!!! Esse jogo era muito legal, a água era tão linda! *.*
    Será que não rolou algo mais entre a Nelly e o Marlon na ilha, não? =XXX
    Ihihihih!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem que poderiam por uma água desse no the sims 2 né!!! E muito obrigada :D <3
      Será? Eles tão bem felizinhos né HAUHAUHAUHA Mas nunca saberemos :X

      Excluir

Seu comentário ajuda muito com a continuação da história!! Não deixe de comentar :)